Trava de baixa: Ganhando com a queda do mercado sem ter o dinheiro

No post passado falei de como estruturar uma operação com opções de forma a ganhar com a alta do mercado com risco limitado e alto retorno (Se você ainda não viu, acesse o artigo passado clicando AQUI).

Nesse artigo estarei falando sobre como você poderá ganhar com a queda do mercado com uma operação estruturada com opções sem ter, necessariamente, o dinheiro disponível em conta corrente. Então vamos começar as explicações!

> Se você ainda não recebe as minhas dicas, cadastre-se na minha lista para receber cada novidade

CARACTERÍSTICAS

Aqui vão algumas características da estrutura:

  • Operação que dá seu retorno máximo com uma queda do mercado.
  • Operação com risco limitado.
  • Operação retorno limitado.
  • Pode exigir desembolso de capital (Trava de baixa com put) ou exigir apenas margem de garantia (Trava de baixa com call)

TRAVA DE BAIXA COM CALL

  1. Compra de uma CALL de strike maior
  2. Venda de uma CALL de strike menor

Ex.: Vamos supor que a Petrobrás esteja cotada a R$30 e você acredita que a ação vai cair para R$27 até dezembro e toma a decisão de montar uma trava de baixa com opções de compra da Petrobrás. Logo irá proceder com os seguintes passos:

  1. Compra de PETRL28 pelo preço de R$2,40
  2. Venda de PETRL27 pelo preço de R$3,30

Ao montar essa estrutura você recebe um valor total de R$0,90, pois você desembolsa R$2,40 na compra da PETRL28, mas recebe R$3,30 pela venda de PETRL27.

É importante denotar que esse valor não ficará disponível em conta para você gastar! A corretora, comumente, pegará esse dinheiro como margem + o valor de risco da operação. Títulos e ações podem ser utilizados como margem de garantia, logo você não precisa ter o dinheiro em conta corrente!

Se no dia do vencimento a Petrobrás estiver no valor de R$27,00, as duas opções viram pó e você ficará com todo o valor que recebeu na montagem da estrutura.

Se você ainda não recebe as minhas dicas, cadastre-se na minha lista para receber cada novidade

Se no dia do vencimento a Petrobrás estiver no valor de R$27,90, você será exercido na PETRL27 e terá a obrigação de vender a PETR4 a R$27, tendo que comprar a mercado por R$27,90 e vender a R$27 para o titular da opção, perdendo nessa operação R$0,90. Como você recebeu R$0,90 pela montagem da operação, esse será o seu ponto de breakeven (zero a zero).

Se no dia do vencimento a Petrobrás estiver no valor de R$29, você será exercido na PETRL27 e terá a obrigação de vender a PETR4 a R$27. Como você é titular da PETRL28, você tem o direito de comprar a PETR4 por R$28. Logo, você vai perder R$1 nessa transação, mas como você recebeu R$0,90 pela montagem da operação seu prejuízo é só de R$0,10.

Logo teremos:

  1. Ganho máximo = Valor recebido na montagem da operação.
  2. Perda máxima = Diferença entre os strikes – Valor recebido na montagem da operação.
  3. Breakeven da operação (Ponto de empate) = Strike menor + Valor recebido na montagem da operação.

Para receber as minhas recomendações é simples e gratuito, basta fazer seu cadastro aqui.

Observe que simulamos o resultado da linha vermelha que é referente ao dia do vencimento. Como as opções ainda tem uma “gordura” até acontecer o vencimento de fato, se você desmontar a operação (Comprando o que vendeu e vendendo o que comprou) o seu ganho será referente ao demarcado pela linha azul, que tende a se aproximar da linha vermelha conforme o dia do vencimento vai se aproximando.

CONCLUSÃO

Essa é também uma estrutura que dá para ter excelentes retornos com uma queda do mercado, trabalhando com risco limitado e possibilidade de altos retornos, sem a necessidade de ter o capital disponível em conta.

Espero que você tenha gostado desse artigo! Se gostou, deixe seus comentários abaixo e compartilhe com seus amigos para que eles possam aprender também 😉

Anúncios